Pulgões

Biologia dos Pulgões

Os afídeos são um dos grupos de insetos-pragas mundialmente distribuídos, e ocasionam prejuízos consideráveis na agricultura e em sistemas florestais. Os pulgões podem atacar plantações, levando as plantas à morte devido à debilidade causada ao alimentar-se de sua seiva.

Ao sugar a seiva da planta, o pulgão pode injetar substâncias tóxicas presentes em sua saliva. Esse composto provoca o amarelamento da planta, ocorrendo deformação do tronco quando a árvore é jovem, o crescimento é retardado e, às vezes, pode matar o broto apical.

Quando isso ocorre, a planta apresenta super-brotação, e, dessa maneira, a planta não se desenvolve de forma adequada, causando prejuízos. Podem ser encontrados, na maior parte das vezes, na parte de baixo das folhas e próximos aos brotos novos. Sua atividade ocasiona o enrugamento e a deformação das folhas e dos brotos novos e, desta forma, a planta não se desenvolve de forma correta.

As fezes expelidas pelos afídeos contém grande quantidade de açúcares, constituem a substância adocicada tão apreciada por algumas espécies de formigas, em especial, as formigas melívoras. Essas substâncias doces liberadas pelos pulgões (chamada de orvalho açucarado) podem também favorecer o aparecimento de algumas espécies de fungos. Esses fungos, ao se desenvolverem nas folhas, causam o crescimento de um bolor de cor preta, denominado fumagina, que pode dificultar a realização da fotossíntese. Esse fato também prejudica o desenvolvimento correto da planta.

Os pulgões, por serem pequenos, sofrem grande influência da temperatura. Cada espécie de pulgão tem preferência por uma temperatura, em que se desenvolve melhor e que pode variar entre populações de locais diferentes. Como consequência, o tempo médio de desenvolvimento e de vida desses organismos diminui com o aumento da temperatura.

Além de afetar a velocidade com a qual se desenvolvem, a temperatura afeta também a velocidade de reprodução. Sabe-se, por cálculos matemáticos, que se as condições forem perfeitamente favoráveis, um pulgão poderia, teoricamente, gerar 600 bilhões de pulgões em uma única estação.

As plantas são de extrema importância para a vida dos afídeos, uma vez que muitas características dependem da qualidade das plantas que parasitam e da temperatura que predomina no ambiente em que vivem. O ciclo de vida dos insetos da família Aphididae é variável.

Porém, na maioria das vezes, esses insetos se reproduzem anualmente (apenas uma vez ao ano) e podem mudar de planta hospedeira. Já as espécies da Sub Família Lachninae apresentam um ciclo de vida também anual, e não trocam de planta hospedeira, preferindo as árvores de tronco duro, como os insetos das tribos Cinarini e Lachnini, por exemplo, ou em raízes, como os da tribo Tramini.


Habitat

Os pulgões formam grandes colônias de insetos em praticamente todos os habitats aonde existirem vegetais. Alimentam-se em troncos, ramos, folhas, raízes e partes reprodutivas das plantas, causando-lhes freqüentemente grandes danos em função de suas grandes populações.

Podem existir tanto nas copas de enormes árvores como nas raízes de pequenas plantas. Os efeitos diretos são provenientes do sugar da seiva, injeção de substâncias nocivas presente na saliva, interferência no desempenho fisiológico das culturas e retirada de nutrientes essenciais para o crescimento das plantas.

Os efeitos indiretos, como enfraquecimento geral da planta, são causados pela transmissão de diversas viroses, pela excreção do orvalho açucarado e trocas nas comunidades de microflora nas superfícies das plantas, que pode influenciar a fisiologia da cultura. A ação de sugar a seiva de ramos provoca um amarelamento e posterior escurecimento das acículas do ramo atacado e esses sintomas são mais facilmente visíveis durante as estações secas do ano.


Ciclo de Vida 

Nos pulgões podem ser encontrados vários tipos de ciclo de vida. Mas em geral, o ciclo é bem curto, podendo gerar uma geração por semana, com cerca de 10 ninfas por fêmeas por dia. Espécies de pulgões típicos de regiões frias costumam ter um ciclo de vida um pouco mais longo e a sua multiplicação é menor.

Em regiões de clima temperado, a característica fundamental é a alternância de uma geração que se reproduz de forma sexual (com cruzamento) com várias gerações que se reproduzem de forma assexuada (sem cruzamento), nas quais somente fêmeas partenogenéticas são produzidas, a qual é denominada de holocíclica ou de partenogênese teletóquica.

Esse fenômeno é uma característica primitiva da vida dos pulgões. Como resultado dessa diferenciação, existem diferenças também morfológicas, ou seja, no corpo do pulgão, sendo que indivíduos que não possuem asas se reproduzem mais em relação àqueles que possuem as possuem, uma vez que esses insetos alados são especializados para a dispersão. O tamanho do corpo do inseto não o impede de voar, porém influencia sua capacidade de migrar, já que os insetos grandes têm maior capacidade de dispersão que os pequenos.


Reprodução

Os pulgões, como foi dito, se reproduzem sexuadamente ou através de partenogênese telítoca (ou telitóquica), ou seja, fêmeas colocam ovos que originam somente fêmeas sem a necessidade de machos para a cópula. Em locais onde há frio intenso, reproduzem-se por partenogênese cíclica, (devido á essa alternância de gerações), pois os machos só aparecem próximo ao inverno, e assim pode ocorrer a reprodução sexuada, onde ocorre cruzamento.

No restante do ano, as espécies se reproduzem por partenogênese. Estes insetos apresentam dois tipos de fêmeas: a) as ápteras, encarregadas da reprodução dentro da colônia em que pertencem e b) as aladas, que são responsáveis por disseminar a espécie para outros locais.


Métodos de Controle dos Pulgões

Normalmente os agricultores ou pessoas que sofrem de problemas com essa praga na produção de plantas ornamentais, costumam utilizar inseticidas químicos, fato que pode causar o aumento na quantidade de afídeos devido ao desequilíbrio resultante da destruição de inimigos naturais e redução do controle biológico natural. Disso decorrem alterações em interações importantes na regulação populacional de espécies fitófagas.

Para produtores orgânicos ou de plantas aromáticas ou medicinais, o uso de inseticidas não costuma ser aceitável. E ainda, visando reduzir os danos causados pela aplicação de inseticidas químicos pelos agricultores convencionais, novas estratégias de manejo são propostas freqüentemente e avaliadas.

Dentre essas novas estratégias de manejo estão métodos alternativos como o controle biológico e plantas geneticamente modificadas que sejam resistentes a insetos. Contudo, esses novos métodos devem avaliados quanto ao seu impacto ecológico, para que as plantações se desenvolvam em bases sustentáveis.

Para se desenvolver novas técnicas de manejo de forma eficiente, como o desenvolvimento de programas de controle biológico, é necessário que se entenda a vida de uma praga em diversos hospedeiros, como conhecimentos acerca do crescimento, desenvolvimento e comportamento de pulgões. Os inimigos naturais dos pulgões incluem tanto insetos predadores como as joaninhas, larvas de moscas, meurópteros e vespas parasitóides, entre outros, que podemos chamar de Fatores Bióticos de mortalidade.

Os pulgões são também susceptíveis às condições ambientais, o que então chamamos de Fatores Abióticos de mortalidade. Ventos fortes, chuvas intensas, temperaturas extremas, entre outros são fatores que afetam a vida de um pulgão, por se tratar de um animal diminuto e, por isso, fortemente influenciável pelos fatores descritos.

Fora o controle biológico ou controle natural, o controle químico, como o uso de organofosforados e piretróides, por exemplo, torna-se delicado e tem que ser avaliado cada caso. Pode não ser possível, se pretendemos consumir as folhas que os pulgões estão atacando e pode ser difícil devido à resistência aos inseticidas apresentada por afídeos.

Os inseticidas piretróides por exemplo, podem aumentar a infestação quando aplicados, uma vez que elimina seus inimigos naturais, que não se recuperam tão rapidamente como o próprio pulgão se recupera da aplicação do inseticida. No cultivo de hortas, o óleo de Nim (ou Neen) pode ser utilizado, assim como em plantas ornamentais e em árvores frutíferas, para o controle de pulgões, já que fortalece o desenvolvimento da planta, evitando o ataque de pragas.

Outro composto utilizado como inseticida botânico são os óleos voláteis da flor Tagetes minuta (cujo nome vulgar é cravo-de-defunto). Esses óleos são capazes de induzir queda na reprodução de afídeos em espécies como Aulacorthum solani e Acyrthosiphon pisun.

Soluções de nicotina, sob a forma de sulfato, podem ser pulverizadas, obtendo-se resultados satisfatórios com uma solução simples de 1/800. Um excelente inseticida de contato é a rotenona, cujo emprego pode ser no Brasil, em solução aquosa a 1%. O extrato de timbó, presente no mercado, contém rotenona e outros princípios ativos, simples ou associado à piretrinas, que se recomenda usar em solução aquosa a 1% ou mesmo a 1/300.

Os afídeos possuem uma gigantesca incapacidade de se defenderem, contrastando com sua enorme capacidade de proliferação. Isso faz com que sejam facilmente atacados por seus predadores, não apresentando eles próprios, um único mecanismo de defesa, tornando-se vítimas fáceis. Mal se inicia a formação de uma colônia de pulgões e logo o ataque por inimigos naturais é iniciado.

Alguns dos inimigos naturais de afídeos estão entre as ordens Diptera (são comidos por larvas de moscas), Hymenoptera (são atacados por vespas), Coleoptera (são enormemente atacados por joaninhas) e Neuroptera (as larvas da formiga-leão são predadoras).

Aí então, surge o papel importante do orvalho açucarado. Várias espécies de formiga, em troca da secreção açucarada expelidas nas fezes pelos pulgões, os defendem do ataque de predadores e parasitas. Algumas espécies chegam até mesmo a transportar os pulgões para lugares mais produtivos ou protegidos, de acordo com a época do ano.

Estudos realizados mostraram que o conjunto de espécies de inimigos naturais dos pulgões, como, por exemplo, aranhas e joaninhas existentes em plantações de algodão, são capazes de exercer seu controle populacional, mantendo as populações desse inseto em níveis baixos, evitando a aplicação de inseticidas e não causando prejuízos à plantação.

Além de aranhas e joaninhas, outros predadores como os neurópteros crisopídeos, e as moscas sirfídeos ou as tesourinhas atuam como importantes predadores de pulgões. Além desses predadores, inimigos naturais do pulgão do algodoeiro podem ser citados, como por exemplo, parasitas de algumas famílias da ordem Hymenoptera e larvas de insetos da ordem Diptera . Estes parasitam o pulgão, aonde colocam seus ovos, e vai ser o local onde suas larvas irão se desenvolver, usando o pulgão como alimento nessa fase de desenvolvimento.

As espécies mais comuns de afídeos que atacam as plantações de trigo são Metopolophium dirhodum (Walker), Schizaphis graminum (Rondani), Sitobion avenae, Rhopalosiphum padi (L.) e Rophalosiphum rufiabdominale (Sasaki), ocasionando danos diretos, pela sucção da seiva, e indiretos, pela transmissão de doenças das plantas, especialmente o vírus amarelo da cevada, por exemplo, como já mencionado.

Na Família Brachonidae das vespas, estão os parasitóides da subfamília Aphidiinae, que são os inimigos naturais mais efetivos e podem ser usados em programas de controle biológico de pulgões. No passado, muitas espécies foram estudadas como candidatas para exercer o controle biológico de pulgões, entre as quais estão Aphidius colemani, Lysiphlebus testaceipes, Praon volucre.

E dentre essas espécies candidatas, Aphidius colemani e Lysiphlebus testaceipes já estão disponíveis no mercado. Essas minúsculas vespas colocam seus ovos dentro dos pulgões que, devido ao ataque das larvas, ficam mortos na planta com um aspecto de mumificados. Se observados com uma lente de aumento, depois que as vespas saem do seu corpo, pode-se notar o furo por onde as vespas saíram.

Se o clima for atípico, ou seja, o outono e inverno da região apresentarem-se quente e seco na região sul, o produtor de cereais deve ficar atento ao controle dos pulgões. Um exemplo da atuação do controle biológico de vespas sobre os pulgões pode ser visto na região Sul do Brasil. O trabalhou foi iniciado no final da década de 70, com a importação de 14 espécies de vespas, inimigos naturais dos pulgões, como já citado, e que passaram a ser estudadas e multiplicadas nos laboratórios da Embrapa daquela região.

Essas vespas iniciam a ação efetuando a oviposição no interior do corpo dos pulgões; do ovo nasce uma larva que, ao alimentar-se do hospedeiro, leva-o à morte. Cada indivíduo de vespa pode parasitar até 300 pulgões, num período de 7 a 10 dias. Do corpo do pulgão morto é originada uma nova vespa, que dará continuidade ao processo de parasitismo e morte dos pulgões, ao reiniciar o ciclo com a postura de ovos em um novo pulgão.

Segundo técnicos da Embrapa, após décadas de liberação das vespinhas no ambiente, esses insetos parasitas conseguiram se adaptar e hoje a multiplicação nas lavouras ocorre de forma independente da ação do homem. Porém, o uso de agrotóxicos para controle dos pulgões pode acabar eliminando também os inimigos naturais, ou seja, provocando a redução progressiva das vespinhas no ambiente favorecendo o aumento populacional de pragas, como os pulgões.

No Brasil, essa metodologia de controle vem sendo intensamente pesquisada, e alguns testes de liberação de inimigos naturais já foram realizados, principalmente em relação às plantas ornamentais, como o crisântemo, as rosas e as gérberas. Entre os inimigos naturais pesquisados estão os parasitóides Aphidius colemani, Lysiphlebus testaceipes e Praon volucre.


Dedetizadora de Baratas em Porto Alegre

Ratos – Dedetização – Dedetizadora Porto Alegre – 3094.2083

Chamada de Chamadas: (51) 3342-8908

Dedetização, Dedetização Porto Alegre, Dedetização de Ratos, Dedetização de Pulgas, Dedetização de Carrapatos, Dedetização de Pombos, Dedetização de Traças, Dedetização de Formigas, Dedetização de Ratos, Dedetização de Baratas, Dedetizadora de Pombos, Dedetizadora de Ratos, Dedetizadora de Baratas, Dedetizadora de Traças, Dedetizadora de Pulgas, Dedetizadora de Ratos, Dedetizadora de Carrapatos, Dedetizadora de Formigas, Dedetizadora, Dedetizadora Porto Alegre

www.construsuldedetizadora.com.br


imagem Controle de pragas rs

Solicite orçamento para dedetização (desinsetização)

A Construsul Dedetizadora convida você a solicitar um orçamento totalmente grátis, temos uma equipe perto de você. Oferecemos serviços de controle de pragas e vetores com excelência.

Fazemos parte da rede CONSTRUSUL ENGENHARIA E MANUTENÇÃO PREDIAL, um grupo empenhado em trazer soluções inteligentes e sustentáveis para o controle de animais e inseto, desentupimentos, caça vazamentos e reforma predial.

Cofira nossos serviços de dedetização

O controle de pragas segue uma metodologia que exclui totalmente a possibilidade de contaminação do meio ambiente, produtos e/ou serviços, mas que é extremamente eficaz contra a praga. Nossa empresa é referência no controle de pragas urbanas, incluindo roedores.

Há mais de 40 anos trabalhando no extermínio de pragas urbanas, a Construsul dedetizadora oferece o serviço de desinsetização de pragas com melhores técnicas dedetização.

CONSTUSUL DEDETIZADORA - Serviços Profissionais em dedetização na sua cidade.

A Mais de 40 anos a Construsul dedetizadora vem atuando no mercado de controle de pragas urbanas, sempre preocupada em trazer ao cliente a satisfação de um trabalho bem feito com seriedade e profissionalismo.

Sua sede está localizada em Porto Alegre, com filiais na Grande Porto Alegre (RS) e Santa Catariana (SC) A empresa realiza os serviços de Higienização e Desinfecção Bacteriológica de Reservatórios de Água e Controle de Pragas como: Desinsetização (dedetização), Descupinização, Desratização, Controle de Pragas em Grãos Armazenados, Tratamento Fitossanitário Quarentenário, Controle Integrado de Pragas (CIP) entre outros.

Também trabalhamos com o Sistema Sentricon de Eliminação de Colônia de Cupins, um sistema criado para monitorar e eliminar colônias de cupins subterrâneos.

 

Confira mais conteúdos da Construsul sobre controle de pragas